20 de Janeiro - Este julgamento é uma furada!

January 20, 2018

 

Se você já  assistiu a algum filme com um tribunal em atividade ou já foi em um, pôde perceber um ambiente extremamente sistemático e crítico. O juiz se assenta rigidamente e ouve vários fatos, para ao final dar um veredito a favor ou contra do réu. Este é o seu trabalho, julgar. A magistratura é uma profissão louvável, porém há uma grande diferença entre ser juiz por profissão e ser juiz por opção. Como por opção? São aqueles que se sentem responsáveis em julgar a vida das pessoas diariamente. Esta é uma tarefa que Deus não quer que tenhamos!

Confesso que quando mais jovem, eu era uma destas pessoas que tinha uma certa opinião formada sobre todos, e mais, eu fazia questão de dizer o que pensava de fulano e beltrano, para os que me perguntavam. Hoje, me arrependo profundamente de ter tido este comportamento imaturo e carnal. Aprendi à luz da Bíblia, que quando nos colocamos na posição de juiz a respeito de alguém, estamos desagradando a Deus, pois esta postura reflete um comportamento de arrogância e pretensão. É libertador, quando nos conscientizamos que a vida dos outros não é da nossa conta! O que as pessoas fazem, como andam ou se vestem, não é problema nosso. Cada um prestará contas de si mesmo a Deus.

Portanto, se este é o seu caso, viver preocupado com a vida dos outros, entregue estes pensamentos nas mãos de Deus e foque-se em cuidar daquilo que é a sua real responsabilidade, sua vida e da sua família!

Se você tem agido como um "juiz da vida alheia", se demita hoje deste cargo! Assim, você poderá experimentar a liberdade de cuidar somente daquilo que consegue carregar e agradará a Deus com um coração cheio de amor pelo próximo!

 

Irmãos, não falem mal uns dos outros. Quem fala contra o seu irmão ou julga o seu irmão, fala contra a Lei e a julga. Quando você julga a Lei, não a está cumprindo, mas está se colocando como juiz.

Há apenas um Legislador e Juiz, aquele que pode salvar e destruir. Mas quem é você para julgar o seu próximo? (Tg.4:11,12)